Sobre poemas-pastéis

Na Runet, a parte russa da Internet, há próprias formas poéticas. Uma das mais populares é poemas-pastéis, стихи́-пирожки́.

Poemas-pastéis são quartetos iâmbicos sem rimas, o primeiro e terceiro versos são eneassílabos, e o segundo e quarto são octossílabos (9-8-9-8). Geralmente são humorísticos. Possivelmente chamam-se poemas-pastéis porque pastéis são pequenos e pode-se comê-los quando não se tem tempo para outra comida. E poemas-pastéis são curtos e simples de entender, pode-se lê-los quando não se tem tempo para textos mais longos e mais profundos. A forma mais adaptada às redes sociais. :)

São escritos numa ortografia não padrão: a pontuação e letras maiúsculas são ausentes, as abreviaturas stão escritas segundo a pronúncia delas (/ɪmtɕɪʹes/ não é МЧС mas эмчеэс, эмчээс ou эм че эс), as vogais epentéticas são escritas (quando театр é pronunciado /tʲɪʹatər/, é escrito театыр) e síncope é marcada também (quando театр é pronunciado /ʹtʲatr/, é escrito тятр).

Aqui estão dois poemas-pastéis de que eu gosto (escolha uma ortografia: original, padrão, transcrição no AFI, transcrição cirílica):

страшней всего когда не знаешь
что для тебя страшней всего
садишься на диван и мысли
а вдруг страшней всего диван
© better days
O mais terrível é não saber
O que é o mais terrível para ti.
Sentas-se num sofá e pensas:
«E se o sofá é o mais terrível?»
(tradução ad hoc, sem ritmo)
исус спросил у николая
чего ты хочешь человек
проходит день неделя месяц
а николай всё говорит
© bucho
Jesus perguntou ao Nicolai:
«O que queres, ó homem?»
Um dia passa, uma semana, um mês.
E o Nicolai ainda está a dizer.
(tradução ad hoc, sem ritmo)

This article is my 4th oldest. It is 267 words long, and it’s got 0 comments for now.